apresentação serviços reservas visita virtual contactos localização
 

O nome de família Sella Freire Falcão de Mendonça apostado na frontaria da casa é corolário dos apelidos de nobres fidalgos e ricos homens da região do Côa, que ao longo dos séculos se foram juntando, por casamento, ao tronco mais proeminente, relevante e mais emblemático, que é, segundo os estudos efectuados, o da família dos Falcões.
Da família Sella Freire Falcão de Mendonça muitas foram as figuras e personalidades que pelo seu valor ocuparam lugares relevantes na história de Figueira de Castelo Rodrigo e não só. Dos numerosos Falcões citados nos documentos consultados poderemos destacar os seguintes:

ANTONIO LOPES DE CASTILHO FALCÃO DE MENDONÇA – Fidalgo da Casa Real , licenciado na faculdade de Leis; capitão-mor das vilas de Almendra e Castelo Melhor; faleceu em 1759 e era filho de Bernardo Lopes de Castilho, bacharel formado em Leis, Ouvidor da Casa Real e pagador geral das tropas da Beira, e de sua mulher, D. Catarina da Sella Falcão da Costa e Mendonça.

MANUEL ANTONIO DE CASTILHO FALCÃO MENDONÇA – Fidalgo da Casa Real, por sucessão a seus maiores; capitão de ordenanças das vilas de Almendra e Castelo Melhor, faleceu em 1791, era filho do personagem acima referido e casou com D. Maria Magdalena de Costa Falcão de Mendonça sua prima e herdeira da casa de Mata de Lobos, filha única de José Freire Falcão de Mendonça, fidalgo da Casa Real, desembargador da 5ª casa dos Agravos da Casa da Suplicação, e executor das dívidas pretéritas da fazenda Real, e de sua mulher e prima, D. Helena da Costa Falcão de Mendonça.

JOSÉ FREIRE FALCÃO DE MENDONÇA – Nasceu em Castelo Rodrigo e foi Governador do Bispado de Pinhel e reitor de Vilar Torpim, dirigiu em 1849 uma carta ao Papa transmitindo-lhe o apoio de todo o clero e povo da sua diocese à proclamação, como dogma de fé, da Imaculada Conceição da Virgem Maria. De 1846 a 1857, o ilustre cidadão e membro da família Falcão, foi Comendador da Ordem de Cristo e Cónego da Patriarcal de Lisboa; publicou em 19 de Março de 1855, uma Pastoral intitulada “ A definição Dogmática da Imaculada Conceição”.

 

voltar homepage voltar homepage